Início BRASIL Representantes de movimentos sociais defendem decreto que regulamenta terras quilombolas
Representantes de movimentos sociais defendem decreto que regulamenta terras quilombolas

Representantes de movimentos sociais defendem decreto que regulamenta terras quilombolas

0
0

Representantes de movimentos sociais defenderam a validade do Decreto 4.887/2003, que regulamenta o processo de identificação e titulação das terras ocupadas por remanescentes dos quilombos. A norma é alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (3.239), que deve ter o julgamento retomado no dia 16 de agosto pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A situação dos quilombolas foi tema de debate nesta quinta-feira (10) pela Comissão de Direitos Humanos, a pedido da senadora Fátima Bezerra (PT-RN). Para a parlamentar, o decreto tem sido atacado por setores conservadores e ruralistas que não querem o acesso dessas populações à terra.

– Os quilombolas estão em todo o país. São quase seis mil comunidades e não vão se calar. O decreto é o principal instrumento administrativo para regular questões fundiárias – defendeu.

Para a representante da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), Givânia Maria da Silva, o que está em jogo é uma disputa econômica.

– O título é inalienável e imprescritível. O pedaço de terra, se for titulado, sai do mercado definitivamente. O que tem em jogo é uma disputa de terra, e também de poder – opinou.

Legislação

O artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) garante aos remanescentes dos quilombos o reconhecimento da propriedade definitiva e a titularidade das terras por eles ocupadas. Para isso, foi editado no governo de Luis Inácio Lula da Silva o Decreto 4.887 para garantir que esses direitos sejam postos em prática.

Em 2004, o Partido da Frente Liberal (atual DEM) ingressou com uma ação questionando, por exemplo, a prerrogativa de as comunidades se autodefinirem como quilombolas e a impossibilidade de um decreto regulamentar uma norma constitucional.

Até agora o julgamento está empatado. O ex-ministro Cezar Peluso votou pela inconstitucionalidade do decreto; a ministra Rosa Weber, por sua vez, considerou improcedente a ação. Ela alegou que a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) estabelece que nenhum Estado tem o direito de negar a identidade de um povo indígena ou tribal que se reconheça como tal.

Para o procurador regional da República Walter Claudius Rothenburg, é um absurdo se discutir ainda a autoaplicabilidade do artigo 68 do ADCT quase 30 anos após a promulgação da Constituição.

– Tal artigo trata de direitos fundamentais. É autoaplicável. O decreto é um mero instrumento de execução da atividade administrativa. É um regulamento e não vai além do que deveria. Nem é inútil. Está em sintonia com a Constituição e com o direito internacional – defendeu.

Mobilização

Durante a reunião, senadores e representantes de entidades defensoras das minorias acertaram uma visita aos ministros do Supremo no início da próxima semana para mostrar a eles como é grave a situação dos quilombolas. A presidente da CDH, senadora Regina Sousa (PT-PI), é uma das parlamentares que vão participar da ação.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *